O chamado [conto]

Um ser humano qualquer, pode ser em qualquer lugar, em qualquer hora, ele abre uma gaveta e, inesperadamente, encontra uma arma, e pega ela. É pesada. Gelada. A sensação é o que pode se chamar de empoderamento. “Heavy is good, heavy is reliable.” Então ele sente que pode solucionar todos os problemas da humanidade. Fazer… Continuar lendo O chamado [conto]

Anúncios

O matadouro [conto]

Minha perna estava quebrada. Tinha certeza que estava quebrada. Doía desgraçadamente como dói uma perna quebrada. Mas não arredei o pé. Dei dois tiros, tomei um comprimido de anfetamina com vodka e voltei pronto para continuar até o fim. Faltavam quatro. O filho da puta soltou a carcaça lá de cima do túnel, e a… Continuar lendo O matadouro [conto]

O aborto [conto]

Luciana tinha 14 anos e desconfiava que estava grávida. Começou a suspeitar de algo errado depois de dois meses sem menstruar, e de sua vó estranhar os enjôos e perguntar sobre sua virgindade. As pesquisas no Google indicavam que as chances de estar esperando um filho eram grandes. Alguns sites anunciavam a notícia de forma… Continuar lendo O aborto [conto]

Bruno e Maira em uma tarde qualquer [conto]

Bruno acordou como foi dormir, desempregado. Pegou a última colher de café e fez um chá preto fraco. Queria um cigarro, mas o cinzeiro não tinha bitucas. Precisava de dinheiro. Pensou em ligar para o César. Ele estava bem. Era gerente de alguma coisa numa multinacional há anos. Foram grandes parceiros de truco nos tempos… Continuar lendo Bruno e Maira em uma tarde qualquer [conto]

Superhero, jelly and flying double kick [tale]

Translation | Eder Capobianco Antimidia It was nearly midnight and the uproar is formed in the middle of the square. The crowd was arranged in circle crowding together and screaming for blood. Two guys exchanged kicking and punching as if it was a duel until the death, but without a lady for the winner. Neb… Continuar lendo Superhero, jelly and flying double kick [tale]

O escritor e o público [conto]

Senti a cabeça martelando e um zumbido contínuo vindo do mundo lá fora. Qualquer coisa me faria melhor que acordar. Senhor, porque tem uma mulher pelada do meu lado na cama? Imagino que o Senhor, com toda Sua sabedoria, está punindo-a por algum pormenor que ésta alma errante tenha aprontado nessa vida, mas isso precisa… Continuar lendo O escritor e o público [conto]