Penitência [conto]

OUVERTURE: Théo não queria matar Júnior, foi um acidente.

1° Ato: Negação

A cabeça do Carlos na privada e o Nelson e o Pedro rindo em volta com Théo gritando vai virar homem! na escola é assim mesmo com a cabeça de Carlos na privada e Théo, Pedro e Nelson gritando que ele nunca mais ia abrir a boca eles se resolvem enfiando a cabeça de Carlos na privada e a cabeça gritando…

beber beber beber beber beber beber be ber b br
arrebentar a cara
beber beber beber beber beber beber be ber b br
cala a boca
beber beber beber beber beber beber be ber b br
beber beber beber beber beber beber be ber b br
vem vamos vamos sim, caralho
beber beber beber beber beber beber be ber b br
ahaheahehaehaheaheha
beber beber beber beber beber beber be ber b br
beber beber beber beber beber beber be ber b br

cheira a porra do meu saco imbecil marginal e toda essa merda que se foda de preto e branco esfrega na cara delas que se foda de preto e branco não tem boca tô pagando quem manda nessa porra sou eu assim que funciona que se foda de preto e branco vai dar sim quem diz que pode ou que não pode tô pagando não pode a puta que pariu que se foda de preto e branco

2° Ato: Raiva

– Eu, Théo, recebo você, Helena, como minha esposa, e prometo humilhar você na alegria e na tristeza, ser seu dono na saúde e na doença, porque sou eu que mando na riqueza e na pobreza, amando-te do meu jeito, respeitando-te como eu quero, sendo-te fiel em pensamento, todos os dias de minha vida, até que a morte finalmente nos separe.

§ 1.º homem que é homem não chora.
§ 2.º lugar de mulher é na cozinha.
§ 3.º menino não brinca de boneca nem menina joga futebol.
§ 4.º mulher que dá no primeiro encontro é vagabunda.
§ 5.º droga é coisa de vagabundo.
§ 6.º bandido bom é bandido morto.
§ 7.º a vida é assim.

dinheiro casa-grande carrão trabalhar para quem paga não tem essa de fazer a coisa certa é trabalhar como tem que ser trabalhar para quem paga mais prédio-de-vidro entra sai dinheiro sonhar custa dinheiro extrato saldo saque trabalhar para quem paga de boa intenção o inferno está cheio mandar é melhor do que ser mandado dinheiro e não reclama trabalhar para quem paga

3° Ato: Barganha

– Dois anos trabalhando aqui já?
– É verdade.
– Quando você começou tinha quanto? Vinte e um?
– Vinte e três.
– Você sempre aparentou ser mais nova.
– Obrigada.
– Nunca estive com uma mulher tanto tempo sem ter comido ela nenhuma vez.
– …
– …
– …
– O tempo gera intimidade.
– …
– É normal.

a Dona Aurélia morreu é triste e tudo mais mais o que? a família dela são do Ceará não vai ter velório manda o corpo dela para lá tem vala comum cuidava do seu pai depois do seu irmão depois de você depois do seu filho não foi de graça vou no enterro e pelo menos comprar umas flores coloca o nome da família de quem tá pagando 

Pai Nosso que estais nos Céus preciso da Sua ajuda, santificado seja o vosso Nome que sempre levo na cintura, venha a nós o vosso Reino de puro ouro, seja feita a vossa vontade que é igual a minha assim na terra como no Céu ordenais que todos os meus inimigos sofram. O pão nosso de cada dia nos dai hoje não para os imorais, perdoai-nos as nossas ofensas que foram só de brincadeira assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e nos paga em dinheiro, e não nos deixeis cair em tentação de matar esse povinho, mas livrai-nos do Mal de ter que conviver com eles. Amém obrigado.

4° Ato: Depressão

AGÊNCIA FLAGRANTE
verdade e justiça
Descobrimos tudo!
traição – mentiras – negócios – informações
SIGILO ABSOLUTO!
Atendimento no Brasil e exterior
saibaaverdade@detetives.cim

Login: helenab12
Senha: amordaterra

Log:
<cilmarall> 07:03
você tem me evitado?

<helenab12> 07:05
não
é que o Théo está desconfiado de alguma coisa

<cilmarall> 07:07
da gente?

<helenab12> 07:10
que eu estou traindo ele

<cilmarall> 07:13
vamos nos encontrar
precisamos conversar

<helenab12> 07:15
não sei

<cilmarall> 07:17
por favor
acho que o Carlos também sabe

<helenab12> 07:20
tudo bem
no Scort as nove
mesmo quarto

<cilmarall> 07:25
{coraçõezinhos}

nunca faltou nada tinha casa, comida, roupa lavada e cartão de crédito foi isso muita facilidade as pessoas abusam de quem é bom 

5° Ato: Aceitação

Mamãe, cadê você?

CAPUT: Théo estava de pé, na cozinha, entre sua esposa e a amante dela, depois de dar um tiro na cabeça de cada uma, e foi o susto da porta abrindo, Júnior entrando, e o instinto de defesa frente a inesperada testemunha, quem apertaram o gatilho.

* Publicado originalmente na revista Trama.