Os abutres e a carne fresca [conto]

Porque ele não tinha a menor idéia do que fazia em mais da metade do tempo, e achava que não tinha nada à perder, ele só foi lá e fez, mas a Márcia, o Renato e a Paula não guardaram segredo, e agora o Cenora tinha muito a perder. Porque na educação física ninguém nunca… Continuar lendo Os abutres e a carne fresca [conto]

Fatos Cotidianos 12 – Junkie de sorte [conto]

Eram quase meio dia quando o telefone tocou. Acordar com o telefone tocando já é sinal de um dia ruim. Se já tem alguém te procurando é por que por algum motivo você já tinha que estar de pé. Não era raro ser acordado atrasado. Quando não ligavam para avisá-lo que era bom que levantasse… Continuar lendo Fatos Cotidianos 12 – Junkie de sorte [conto]

Fatos Cotidianos 5 – Promiscuidades [conto]

Sexo é a melhor moeda de troca do mundo. Tudo gira em torno de uma boa trepada. Se você transa com sua chefe uma vez, vira o queridinho. Se o ato se consuma novamente, recebe um aumento. E se acontece com freqüência, tipo duas vezes por semana, lindo! Você vai ser promovido. Adauto descobriu isso… Continuar lendo Fatos Cotidianos 5 – Promiscuidades [conto]

As últimas 24h de Vitória [conto]

Sempre que Vitória sentava na sua mesa, e colocava aquela tiara com fone de ouvidos e microfone, se sentia um lixo. Trabalhar com telemarketing não era a profissão com qual sonhava para o auge de seus vinte anos. Naqueles primeiros minutos, enquanto esperava o computador logar, pensava que o suicídio não era uma hipótese a… Continuar lendo As últimas 24h de Vitória [conto]

A nobre arte de fazer dinheiro [conto]

Para Mariana sair do trabalho era como fugir de uma senzala ou escapar de uma prisão. Mais do que quebrar as correntes, era o mais perto da liberdade que alguém podia chegar. Esta sensação não durava muito tempo, porque em alguns minutos ela estava chegando na faculdade. E de novo aquela dívida com o mundo,… Continuar lendo A nobre arte de fazer dinheiro [conto]

O poço não tem fundo, é lenda [conto]

Sobe a Brigadeiro Luis Antonio. Passos largos, velocidade total. Sem desviar. Cortando o fluxo das pessoas. Olhos esbugalhados rasgando o horizonte. Andar sem foco, com firmeza. E aqueles filhos da puta vão morrer. Vão morrer na porrada! Todos os filhos da puta! Atravessa a Paulista. Transpirando raiva. Pulsando ódio. Um empurrão daqui, um xingamento de… Continuar lendo O poço não tem fundo, é lenda [conto]

Dias de glória [conto]

[7:30] - Acordar e querer continuar dormindo. [7:35] - Aceitar a existência, levantar para higiene pessoal. [7:45] - Estar no segundo lance de escada do prédio correndo. [7:58] - Pegar ônibus que passa a três quarteirões de casa, já lotado. [8:37] - Trocar de ônibus, este esturricado. [9:32] - Chegar na editora e bater o… Continuar lendo Dias de glória [conto]

Gafanhotos pastando no mar de lama [conto]

Rosana morava num cubículo no Largo do Arouche junto com Joe, um Bull Terrier. Em qualquer posição que se possa imaginar ele era maior que ela. Fortunato esperava por algum sexo, alguma bebida e com sorte uma cama para dormir até a manhã seguinte. Os dois vinham caminhando pelo Viaduto do Chá. Tinham acabado de… Continuar lendo Gafanhotos pastando no mar de lama [conto]

Vida universitária [conto]

Sábado a tarde. Nada para fazer (considerando estudar nada). São quatro pessoas na casa, duas garotas, dois garotos. Um olha para o outro e pensa: “Vamos rachar duas cervejas?” Claro que sim! Então encontram mais um casal de conhecidos no mercadinho vizinho. Umas cervejas tornam-se pelo menos uma dezena. No caminho alguém lembra de outro… Continuar lendo Vida universitária [conto]

Antiga Nova Ordem [conto]

Brasileiros e brasileiras, a meia noite de hoje deveram abandonar suas casas e se apresentar na praça mais próxima da residencia, independente de idade ou condição física. Os homens deverão estar trajados com calca jeans, camiseta branca e sapato preto. As mulheres trajar-se-ão com uma saia vermelha longa, camiseta branca e sapatos vermelhos. A partir… Continuar lendo Antiga Nova Ordem [conto]

Num futuro não tão distante… [conto]

Durante uma aula de história da turma da quarta série... - Professor, eu não estou entendendo. Quer dizer que não chegamos até este ponto por causa das guerras? A culpa era do estilo de vida das pessoas, que exigia muito do planeta, que sucumbiu? - Sim Alice. É um pouco mais complicado, mas podemos resumir… Continuar lendo Num futuro não tão distante… [conto]

Sobre meu amigo freak [conto]

O simples fato de sair de casa o entediava. Na verdade, ficar ou sair era indiferente. Talvez ele tivesse mais preocupado em escrever coisas que talvez ninguém nunca fosse ler a viver. Ou não. Apenas achava tudo aquilo um saco e queria fazer qualquer outra coisa. Todos sabiam que ele não suportava gente bêbada. Às… Continuar lendo Sobre meu amigo freak [conto]

As peripécias de Joe – Parte 1 [conto]

Pela manhã “Vamos jogar a real. Por as cartas na mesa Joe. Você não tem como nos pagar. Tudo bem. Ainda não vamos te matar por causa disso. Mas você há de convir que não podemos simplesmente falar: ‘Ok Joe, nós entendemos a situação. Esqueça o que nos deve’. Como ficaria nossa moral com os… Continuar lendo As peripécias de Joe – Parte 1 [conto]

Fatos Cotidianos 2 [conto]

Pobre rapaz. Não foi fácil. Nasceu prematuro de sete meses. A mãe morreu no parto. A vida não fazia mais sentido pro pai, que mal lembrou dele, quando ele ficou três semanas na incubadora. Depois disso foi morar com a avó materna. Nem o cachorro agüentou as seguidas bebedeiras do recém viuvo. Com cinco anos… Continuar lendo Fatos Cotidianos 2 [conto]

Fatos Cotidianos [conto]

Cheguei em casa as sete da noite. Minha esposa estava sentada no sofá, fumando. O sofá era velho, verde musgo. Já foi um outro verde um dia. Tinha umas partes rasgadas, não era nada confortável sentar naquele sofá. Ela vestia uma camiseta regata que fedia a dona-de-casa. Um shorts velho, com um chinelo velho completavam… Continuar lendo Fatos Cotidianos [conto]

Pós-morte e sentença de Reginaldo [conto]

“Putz, acho que me livrei dessa.” “Não se livrou.” “Hã? Quem é você?” “Quem eu parece ser?” “O Diabo!” “Bingo! Como bônus você vai ganhar uma tatuagem.” “Tira este tridente da minha bunda porra!” “Viu como não doeu? E não se faça de machão. Sei muito bem o que acontecia entre você e seu vizinho,… Continuar lendo Pós-morte e sentença de Reginaldo [conto]

Escritor Falido [conto]

Tem uma coisa muito errada acontecendo. Não da para apontar o que é. É uma coisa tão óbvia que chega a ser absurdo. A semana passa um procurador de justiça esteve em casa. Ele aceitava qualquer coisa para abater minha dívida. Levou meu computador o safado. Eu tenho uma dívida de cinqüenta mil com um… Continuar lendo Escritor Falido [conto]