O escritor e o público [conto]

Senti a cabeça martelando e um zumbido contínuo vindo do mundo lá fora. Qualquer coisa me faria melhor que acordar. Senhor, porque tem uma mulher pelada do meu lado na cama? Imagino que o Senhor, com toda Sua sabedoria, está punindo-a por algum pormenor que ésta alma errante tenha aprontado nessa vida, mas isso precisa… Continuar lendo O escritor e o público [conto]

Uma imensidão de nada no meio do deserto de lugar nenhum [conto]

Devo ser uma daquelas almas rejeitadas no céu e no inferno que foram mandadas para um lugar pior: a minha vida. Meu corpo doía em partes que achei que não existissem mais. Num reflexo debilitado chutei alguma coisa. A filha do Jaime ainda estava deitada do meu lado. “Por que você é assim?” “Porque não… Continuar lendo Uma imensidão de nada no meio do deserto de lugar nenhum [conto]

Um dia para cair no esquecimento [conto]

Acordei com dores de todas as formas físicas e psicológicas conhecidas. Ninguém me ama, nem eu. Estou pronto para morrer. Estou pronto há décadas. Por favor Senhor, perdoe minha covardia e acabe com isso. Se as dores no peito não são um sinal claro do fim, o que vai ser? Não sei porque corpo e… Continuar lendo Um dia para cair no esquecimento [conto]

Bebida, diversão e balé [conto]

A pressão baixa + o calor + o álcool me fizeram desidratar na cama. Deve ser por esse tipo de coisa que estou fadado a acordar o resto da vida sozinho. Ainda assim me parece mais negócio continuar nadando no meu próprio suor à levantar e encarar a vida com tudo que ela tem para… Continuar lendo Bebida, diversão e balé [conto]